Especial: A Música de Cada Signo

Alguns acreditam, outros não. O fato é: nosso signo diz muito sobre nós mesmos e, embora não diga aquilo que somos, serve como referência sobre o que astrologia tem para nos dizer.

Nesse post vamos simplificar um pouco os 12 signos do nosso zodíaco e fazer relação com músicas da Birdy. Esperamos que gostem. 


ÁRIES (21/03 - 20/04)

Monotonia? Jamais. Embora não seja de janeiro, Áries é o primeiro. E gosta de assim o ser. Com personalidade forte possui uma grande necessidade de agir, sempre cheio de energia e animação.

Música: Young Blood


TOURO (21/04 - 20/05)

Otimista? Pessimista? Taurinos preferem ser realistas. São diretos e, embora tidos como preguiçosos, gostam de aproveitar a vida. Amantes de romances e famosos por serem comilões, são sempre leais.

Música: Heart Of Gold



GÊMEOS (21/04 - 20/05)

Signo mutável famosíssimo pela instabilidade são livres. Possuem uma habilidade invejável de adaptação - seja boa ou ruim. Por serem curiosos e gostarem de saber de tudo um pouco, são ótimos observadores das mais complexas situações. 

Música: Beating Heart





CÂNCER (21/06 - 21/07)

Tidos como chantagistas emocionais, cancerianos possuem o dom de perceber a mentira. Magoam-se com facilidade e são a prova viva daquele ditado: "A gente perdoa mas não esquece". São ótimos companheiros e amigos leais.

Música: Dream



LEÃO (22/07 - 22/08)

EU, EU, EU. Ambiciosos, vaidosos e, em certo grau, egocêntricos. São idealistas, generosos e orgulhosos, o que os torna ingênuos, algumas vezes.

Música: Start Again



VIRGEM (23/08 - 22/09)

Reservados, Afetuosos, Críticos. Tão realistas quanto os taurinos, quase sempre são mal interpretados. Possuem um enorme autocontrole mas quando em desarmonia costumam ser pedantes, submissos e solitários. São grandes detalhistas e observadores.

Música: All About You




LIBRA (23/09 - 22/10)

Librianos se entregam ao amor, não importa como seja. São pessoas românticas, amáveis, simpáticas e indecisas. Amam e sofrem na mesma intensidade.

Música: Terrible Love



ESCORPIÃO (23/10 - 21/11)

Os nascidos no signo de escorpião são pessoas de sentimentos fortes. São discretos e não gostam de falar sobre sua intimidade. São vingativos, sarcásticos e até cruéis em algumas ocasiões. Cuidado.

Música: Take My Heart



SAGITÁRIO (22/11 - 21/12)

São detalhistas, não gostam de errar e não são bons em lidar com o erro dos outros. Representam a ingenuidade e nobreza de uma juventude não muito correta. Amam viajar e experimentar coisas novas. 

Música: Light Me Up



CAPRICÓRNIO (221/12 - 20/01)

Pacientes com seus planos, costumam deixá-los amadurecer. São bons com coisas que envolvam sangue frio e autocontrole. Preferem uma vida tranquila e modesta. 

Música: Comforting Sounds



AQUÁRIO (21/01 - 19/02)

Humanidade. Fraternidade, Liberdade. 3 dos adjetivos que mais definem Aquário. São independentes, rebeldes, originais e sempre propõe ideias em beneficio da humanidade.

Música: People Help The People



PEIXES (20/02 - 20/03)

Nascidos em um signo mutável, nós piscianos somos como uma esponja para os sentimentos do meio que nos encontramos, sejam esses sentimentos bons ou ruins. Vivemos com a emoção a flor da pele e, quase sempre, sofremos por isso.

Música: Unbroken


Asssita 'The Beautiful Lies Tour (House of Blues, Cleveland, USA)' em HD


No último dia 14, Birdy esteve em Cleveland (EUA) onde cantou na House of Blues. O show foi transmitido pelo Yahoo e você pode assistir abaixo em HD:



Obrigado ao Jhonas Vasconcelos por disponibilizar o vídeo. 




Resenha: Todas as mentiras mais bonitas de Birdy em seu mais recente disco

Mudar sua mente é como mudar o tempo e você não faz meu coração bater como antigamente. É assim que somos introduzidos ao terceiro e mais recente álbum da Birdy, Beautiful Lies. Desde o começo da divulgação do mesmo, a cantora sempre falou que esse disco seria mais alegre do que os anteriores pois finalmente sabia o que queria e, ao longo das 14 faixas da versão normal e mais 4 da versão deluxe, somos levados a uma viagem de sentimentos que comprovam a afirmação acima.

Auxiliando na produção de 6 das 18 músicas presentes no registro, é perceptível a evolução como cantora e compositora da Jasmine, além de se mostrar corajosa o bastante para sair da sua zona de conforto. Com a ajuda do nosso amigo Lincoln (@thatnovember92), nós do Birdy Brasil - mais especificamente o João - iremos explorar todas as mentiras e verdades contadas por ela nesse álbum.

  • Growing Pains 

João: Estaria Birdy falando sobre os seus admiradores que não reagiram bem a Keeping Your Head Up e à proposta mais alegre do disco ao cantar “mudar sua mente é como mudar o tempo? Deixando isso de lado, é uma das faixas favoritas dos fãs que fala sobre um relacionamento que não deu certo, sobre amigos que se distanciam ao passo que crescem e, ao longo de seus quase 4 minutos, é possível notar a voz do RØMANS - que ajudou a compor/produzir - em alguns momentos. 

Lincoln: Birdy abre o disco de maneira explosiva e delicada. Falando sobre um relacionamento que não deu certo e sobre a esperança de seguir em frente, como no trecho “Maybe one day we'll fit back together” (“Talvez um dia nós voltaremos a nos encaixar). A primeira faixa do novo trabalho da inglesa tem clara inspiração da música oriental, sonoridade que inspirou todo o disco. Os vocais estão bem trabalhados e soa semelhante à talentosa lenda da música, Kate Bush, com falsetes bem colocados e notas altas.

  • Shadow 

João: Uma das grandes surpresas no disco para mim. A letra, sobre seguir alguém do deserto às geleiras, me parece ser sobre estar ligado a si mesmo. No final das contas, somos vários e um ao mesmo tempo. 

Lincoln: Introduzida no piano, a canção, embalada por instrumentos de percussão, culmina em um refrão forte e arrebatador. A inspiração no livro “Memórias de Uma Queixa” é quase palpável nesta canção. Se fechar os olhos, é possível sentir toda a atmosfera oriental, enquanto a inglesa prova o seu amor e sua vontade de segui-lo onde for. Mais uma vez, a cantora usa e abusa de sua ótima técnica vocal.

  • Keeping Your Head Up 

João: Um tanto quanto polêmica entre os fãs, há que ame e quem odeie. Sem se prender a qualquer rótulo, lembra bastante o que foi feito em I'll Keep Loving You do David Guetta e às músicas da banda Florence + The Machine. É uma das músicas que mais revelam sobre o conceito do álbum - manter a esperança e encontrar a luz na escuridão. 

Lincoln: Quando lançada, a música foi uma surpresa para os novos e antigos admiradores de Jasmine. A dançante e esperançosa Keeping Your Head Up nos remete ao estilo peculiar da banda Florence + The Machine. Com um refrão contagiante, sintetizadores e uma letra que fala sobre encontrar luz em momentos difíceis, Birdy nos provou nesta música que é uma intérprete versátil, podendo flertar com outros estilos de forma majestosa e sem perder sua essência.



  • Deep End 


João: A primeira balada do disco é uma das melhores da carreira. Aqui, Birdy finalmente canta com todas as letras que quer fingir estar bem, que nada está mudando. Ainda nesse aspecto, também é sobre uma relacionamento que praticamente já acabou mas há uma relutância em aceitar isso. É uma música de fácil conexão, afinal quem nunca teve medo da solidão?

Lincoln: Com o característico piano e voz, que é quase uma marca da introdução de suas canções, somos apresentados a uma das músicas de maior qualidade no álbum. Deep End é praticamente uma conversa íntima sobre estar num relacionamento fadado ao fim, mas tentar aproveitar cada minuto que resta, o que será um tema bastante trabalhado daqui pra frente. A bateria adicionada ao último refrão dá um novo fôlego à bela canção, que é majestosamente bem produzida.

  • Wild Horses 

João: E se o relacionamento relatado em Deep End chegasse ao fim? E se ela finalmente tivesse coragem de enfrentar a solidão? Horses trata, de certa forma, sobre isso. Esperançosamente Jas canta sobre ser a mais forte na relação e não implorar pelo amor de ninguém, que ela é livre e possui cavalos selvagens correndo dentro de si. Muito poético, não acham? *Um detalhe que muitos observaram: em alguns momentos lembra bastante Lost Stars do Adam Levine.*

Lincoln: Se na faixa anterior é falado sobre a indecisão diante de uma relação, em Wild Horses há a certeza sobre sair de um relacionamento que não lhe satisfaz, pronta para ter o coração restaurado. “It’s not giving up, it’s letting go and moving to a better place” (“Não é desistir, é deixar ir e partir para um lugar melhor”). Com uma estrutura de arranjos interessante, explosiva e contagiante, Horses é uma das músicas que faz o público cantar junto, gritando a plenos pulmões sobre ser livre e continuar.



  • Lost It All

João: Uma das músicas que Birdy coproduziu no álbum, All é uma baladinha no piano do jeito que só ela sabe fazer. Poderia facilmente estar no Fire Within e até ser single. Graças a frase final, “Você nunca perderá o que nunca encontrou”, tem uma das minhas letras preferidas do álbum.

Lincoln: A sexta faixa do disco é quase uma carta de despedida. Trazendo outra vez o tom confessional, a voz de Birdy transmite dor e mágoa em Lost It All. Acompanhada por piano, uma bateria tímida e violinos, ela lamenta “I've given you all of my love but it's still not enough” (“Eu tenho te dado todo o meu amor mas ainda assim não é suficiente”).

  • Silhouette 

João: ÉPICA. Apenas isso. Com uma letra que fala sobre superação e dor é definitivamente uma das melhores da carreira. Os "oooh oooh" no refrão me lembram corujas em uma floresta que, embora você não saiba o que esconde na sua escuridão, vai atravessá-la de qualquer maneira. “Na poeira escrevi meu nome e das ruínas nasceu esperança porque tudo que é perdido pode ser substituído com o tempo”, como não amar essa faixa?

Lincoln: Com um clima cinematográfico e uma atmosfera que beira à melancolia e a escuridão – remetendo um pouco ao som da americana Lana Del Rey – somos apresentados a uma das faixas mais belas de sua carreira. Sua voz ainda soa pesada, mas aqui ela transmite um pouco da esperança “And the bittersweet of every new defeat is I'm stronger than before” (“E o agridoce de cada nova frustração é que estou mais forte que antes”).

  • Lifted 

João: Originalmente seria o carro chefe do álbum antes da criação de Keeping Your Head Up. Sendo um single em potencial, poderia facilmente ser parte do Dangerous Woman, álbum da cantora Ariana Grande. Seu grande momento acontece pouco antes do final, quando cria-se um clima de suspense até chegar no refrão novamente.

Lincoln: Lifted poderia ser, facilmente, uma música lançada pelo fenômeno musical Adele. A canção traz novamente o lado mais pop de Birdy, inclusive contendo instrumento de sopro em alguns trechos. Desafiando-se a se abrir para um novo amor, Birdy canta “Show me the way to a brighter place” (“Me mostre o caminho para um lugar mais brilhante”) no refrão de uma das músicas com maior potencial a hit do Beautiful Lies.

  • Take My Heart

João: ÉPICA, novamente. Durante os poucos mais de 4 minutos dessa música é possível sentir toda a tristeza, raiva e até um certo desespero da cantora em relação ao seu amado. O tema fingir que está tudo igual” é novamente trazido à tona mas dessa vez não há mais o medo da solidão, somente a cobrança de uma promessa que está prestes a ser quebrada. Outro ponto a ser observado é que essa música soa como um prelúdio para Silhouette. Não me admira que as duas sejam épicas. “Lembra quando disse que nunca me deixaria partir? Me abraçou no escuro e me acolheu enquanto levava meu coração.”

Lincoln: Assim como em Silhouette, a atmosfera um pouco mais pesada e obscura toma conta da música. Com influências indie e R&B, o instrumental é extremamente produzido e detalhista. A música explicita a dificuldade de alguém em superar uma relação “Your love was so real, too late to forget how you made me feel” (“Seu amor era tão real, tarde demais para esquecer como você fazia eu me sentir”).

  • Hear You Calling

João: Esse instrumental é divino. E não falo apenas da influência japonesa. Com uma ouvida mais cautelosa, é possível ouvir o som de chuva caindo em algumas partes da música. Liricamente fala sobre sentir falta de alguém que, embora não fosse perfeito, você ama. Uma versão mais leve daquele ditado: "você só percebe o que tinha quando perdeu".

Lincoln: A pop e leve Hear You Calling é uma prima tímida de Kepping Your Head Up. Com referências à sonoridade dos anos 80, misturando sintetizadores, piano e bateria, Calling fala sobre ainda sentir a presença de alguém que se foi. Mas diferente das canções anteriores, aqui Birdy lida melhor com esse sentimento de perda; mostrando um ponto intermediário entre os altos e baixos de pós-relacionamentos que o disco trata.

  • Words 

João: Quando li que era composição/produção do Conrad Sewell fiquei bastante preocupado. Não porque não gosto do trabalho dele, mas por medo de soar como uma música do Conrad cantada pela Jasmine. Quando ouvi, me surpreendi. Uma maravilha com um instrumental simples porém com uma letra um tanto quanto melancólica. O vídeo dessa faixa consegue representar de maneira magnífica essa dualidade entre o instrumental e a letra.

Lincoln: Estruturada no piano e flertando com sintetizadores minimalistas, Words é mais uma faixa sobre o início do fim de um relacionamento. E apesar da constatação do fim, Birdy transmite esperança ao cantar “But I need you next to me” (“Mas eu preciso de você perto de mim”). Com um refrão leve e fácil de ser digerido, a 11° faixa do disco tem o poder de nos transportar a um lugar triste, doloroso e real. Uma das baladas mais sólidas e emotivas do álbum.



  •  Save Yourself 

João: O que é esse começo no piano? E esses vocais? Eu não sei lidar muito com essa faixa. A letra é quase uma conversa, onde Birdy fala que ela e seu amado se tornaram corações vazios e pede para que ele vá embora e se salve. O fim se tornou algo inevitável agora. Poderia jurar que há o dedo do Conrad Sewell ou Jaymes Young nessa canção se não tivesse lido os créditos de composição e produção.

Lincoln: A música começa com notas de piano parecidas com as que introduzem Keep Your Head Up, mas diferente do animado lead single, Save Yourself é mais uma faixa obscura que mistura dor com o sentimento da aceitação de que seguir em frente é o melhor a se fazer. Se em Growing Pains ela diz “We could save each other for the better” (“Nós poderíamos salvar um ao outro para o melhor”), aqui ela enfatiza dizendo “Save yourself, my darling kill the love that’s dying” (“Salve-se meu querido, mate o amor que está morrendo”). Mais uma vez a interpretação dá asas à magia da letra e instrumental.

  • Unbroken

João: “Você poderia manter sua cabeça erguida quando seu mundo está desmoronando?” Assim começa a mais bela das canções no Beautiful Lies. Assim como Take My Heart serve de prelúdio para SilhouetteUnbroken serve para Keeping Your Head Up. Escrita como poema e então transformada em música, soa como uma conversa sincera entre amigos que, apesar das dores e rasteiras da vida, permanecem juntos lado a lado. Em seus quase 4 minutos e meio, somos docilmente acalmados enquanto versos como “Tudo que você amou permanece intacto. Muitas luas vão nos guiar, deixe o passado para trás” são cantados.

Lincoln: Com base em voz e piano, essa faixa traz de volta a sensação de ouvir músicas como Shelter Comforting Sounds, duas das melhores músicas do álbum homônimo da cantora, lançado em 2011. Mais uma vez, Birdy opta por fazer seus vocais poderosos soarem como canto de anjos. Nesta faixa, ela sintetiza que apesar das dores que enfrentamos na vida , como no trecho“Some times the tears we cry are more than any heart can take” (Às vezes, as lágrimas que choramos são mais do que qualquer coração pode suportar”), poderá sempre haver uma luz que nos guiará “Many moons will lighten the way and sure this night will follow a day” (“Muitas luas vão iluminar o caminho e há a certeza de que essa noite será seguida por um dia”). Quase no final, a música traz vocais que flertam com o gospel, terminando da mesma forma serena que começou.

  • Beautiful Lies

João: Após ouvir essa canção, entendi melhor o conceito do álbum. Aqui, o álbum se encerra de maneira honesta e majestosa. Embora ainda peça para que nada mude, há a aceitação que é preciso seguir em frente mesmo sendo difícil estar aberto à mudanças quando já se decepcionou muito. 

Lincoln: Birdy novamente, por excelência, trazendo o que faz de melhor: nos encantar com apenas voz, piano e acordes de violino. “Beautiful Lies” é uma faixa que tem como maior destaque a sua simplicidade e honestidade. Outra vez a britânica parece nos inserir em uma conversa íntima, final, delicada e frágil. “I wish that I had the strength to let go, but I don't” (“Queria que tivesse forças para deixar ir, mas não tenho”). O disco finaliza com a mesma serenidade, honestidade e coesão que iniciou. Falando sobre o quão difícil é seguir em frente, mas o quão precisa e necessária essa decisão pode ser.



  • Versão Deluxe


Vocês conhecem o ditado: “Parece que o jogo virou, não é mesmo?” porque as 4 músicas presentes na versão deluxe do álbum são uma prova dele. Se havia o medo da solidão e pedidos para que nada mudasse durante a versão normal, as coisas estão bem diferentes agora.

Começando com Beating Heart (cujos vocais lembram Florence), a cantora finalmente diz adeus ao sentimento que a impedia de seguir em frente mas ainda pede para que as pessoas do seu passado não mudem por ninguém pois um dia acharão alguém que os ame como ela. Em Winter percebemos que algumas vezes as pessoas se separam e que é preciso deixar cada um seguir seu próprio caminho: nenhum dos seus sonhos me deixam te amar, nenhum dos seus sonhos me levam com você. Já Give Up parece ser direcionada aos que continuam ao seu lado até hoje. A mensagem da música bate de frente com a de Keeping Your Head Up (onde ela é o porto seguro de alguém), quando estou fora de mim e perdendo minha fé, você é a pessoa que não me deixa fugir. Para finalizar, temos Start Again. Tão simples e tão bela, fala sobre estar pronto para recomeçar. Ela não precisa ser salva porque mal pode esperar para cair, desaparecer e começar outra vez.


        

Birdy Curiosidades: 10 coisas que você precisa saber

Com o intuito de alegrar esse domingo, decidimos fazer esse post cheio de curiosidades. Para entrar no clima, ouçam a playlist abaixo:



1. A mais básica de todas: O nome verdadeiro da Birdy é Jasmine. Completo: Jasmine Lucilla Elizabeth Jennifer van den Bogaerde

2. Ela jamais faria um cover de Breezeblocks do Alt-J porque é louca pela versão original. Em suas palavras: "não conseguiria tocar de outra forma".


3. Sua música favorita do Fire Within é All You Never Say e do Beautiful Lies é Unbroken.

4. Sua fruta favorita é abacate e sua comida favorita do McDonalds é Chicken Nuggets.

5. Segundo a cantora, o momento mais bonito/emocionante de sua carreira foi sua performance nos Jogos Paralímpicos de Londres em 2012.




6. "Pessoas que eu acho que têm ótimos estilos são FKA Twigs e Florence Welch". Além dessa afirmação, ela já falou em mais de uma entrevista que adoraria trabalhar com a Florence.

7. Birdy é uma grande fã da Emma Roberts e disse que mesmo não tirando uma foto ou falando com ela, adoraria estar no mesmo lugar que a atriz. 




8. Seu filme favorito dos anos 80/90 é Dirty Dancing.

9. Birdy ama arte e pintar. Gosta de pintar e desenhar pessoas e seus rostos mas não se considera boa nisso.

https://www.instagram.com/p/1InISSEpR8/


10. "Deposite sua confiança em quem você é. Tenha pessoas que você confia e que te fazem feliz ao seu redor." - Resposta da Birdy quando perguntada qual conselho daria a quem está tentando encontrar a luz na escuridão.